Archive for keynesianismo

You are browsing the archives of keynesianismo.

Mark Blyth: «Draghi não é um keynesiano, é um realista»

Para o professor de Economia Política Internacional no Watson Institute for International Studies da Universidade de Brown, e autor do polémico livro “Austeridade – A história de uma ideia perigosa”, o homem do momento, o italiano Mario Draghi, está a esgotar o que pode fazer com a política monetária e a avisar os políticos da zona euro que, agora, é a vez deles. Mas está pessimista sobre o efeito do apelo do patrão do banco central. (c) JNR 2014

Keynes contra o fantasma de uma guerra de divisas

À espera do ‘bancor’: John Maynard Keynes foi derrotado em Bretton Woods em 1944 no Hotel Mount Washington, mas a sua proposta para o sistema monetário internacional parece ter renascido, agora, das cinzas. Até o FMI estudou recentemente a sua “adaptação” aos tempos modernos. A Exame ouviu académicos e especialistas que pesaram prós e contras. Provavelmente continua uma visão, mas revela o génio do economista inglês sessenta anos depois. [TEXTO LONGO]

Uma nova proposta de casamento para Keynes – um desafio teórico

Está na hora de “casar” John Maynard Keynes com os críticos do monetarismo e do despesismo em finanças públicas. A proposta de William White, da OCDE.

Ascensão e Coma do “liberalismo” – hipótese de investigação

No âmbito de um projecto sobre globalização, liberalismo e totalitarismo no capitalismo pós-Revolução Industrial, desenvolve-se, aqui, como hipótese de investigação uma periodização sobre a ascensão e coma do liberalismo (no sentido que é dado na Europa e na América Latina a este ‘ismo’), bem como algumas pistas para a fase actual do pensamento em política económica na nova vaga de globalização em curso. Assim, agradecemos todos os comentários e críticas.

O Manifesto de Paul Krugman: regresso a Keynes ou que mil flores floresçam?

A “loja” dos economistas está ao rubro. Um dos keynesianos mais reputados resolveu partir a loiça fabricada pela teoria da ‘eficiência dos mercados’. Paul Krugman vs. Eugene Fama, ainda que nenhum dos dois se refira ao outro. Mas muitos economistas, que têm intervido no debate, propõem um caminho nem unipolar nem bipolar, mas de debate diversificado e de investigação plural. Que várias escolas de pensamento floresçam – pode ser o mote.